segunda-feira, 6 de fevereiro de 2012

GAFANHOTO GO FLY (GRASSHOPPER): MATÉRIA E RECEITA

Texto e fotos: Leandro Vitorino

Grilos, gafanhotos e esperanças fazem a festa no verão. Assim que a chuva se firma, novos brotos verdes e suculentos germinam no solo e nas pontas dos galhos, servindo um prato saboroso a essa família de insetos que é exclusivamente vegetariana.

Gafanhotos podem devorar uma árvore inteira.
  As esperanças são insetos próximos dos grilos e dos gafanhotos, muitas evoluíram e apresentam uma coloração críptica que confere uma boa proteção contra predadores menos alertas. Umas assemelham-se a folhas secas, outras a folhas verdes.

Falar em pesca com mosca e não falar sobre grilos e gafanhotos é saltar uma importante página da história do fly fishing. Esses insetos se fazem presentes em quase todos os biomas do mundo e são extremamente apreciados por diversas espécies de peixes.
Gafanhoto fotografado na Serra da Mesa (GO)

Os Brycons têm uma enorme predileção por esses insetos, entretanto os peixes redondos, as saicangas, as tabaranas, black bass, tilápias e trutas patagônicas não ficam muito atrás quando o objetivo é atacar um grilo “desatento” que caiu na água.

O Cerrado, em especial, abriga inúmeras espécies. Nele, as estações são bem definidas, sendo marcado por um inverno extremamente seco e um verão bem chuvoso. É na estação das chuvas que as populações de grilos e gafanhotos “explodem” gerando um mosaico de vidas e cores.
Esse não é o Bicho-pau, é o Mané-magro, mas que lembra também um graveto. Ao contrário dos Bichos-paus verdadeiros (ordem Phasmatodea), o Mané-magro (Proscopiidae) é da família dos gafanhotos, possuindo cabeça alongada, antenas curtas e pernas posteriores modificadas para o salto.

A fêmeas adultas de gafanhoto desovam na vegetação e após a eclosão, os filhotes (ninfas) tendem a ficar agrupados alimentando-se das folhas novas. Antes de criarem asas são alvos fáceis para pássaros e outros insetívoros, mas assim que criam asas revoam para todos os lados. Algumas espécies de gafanhotos do cerrado são bem grandes como o Tucurão (Giant grasshopper - Tropidacris collaris): sua envergadura pode atingir até 20 cm, sendo um dos maiores já conhecidos. É a espécie de maior importância econômica no Brasil, visto que causam danos a várias espécies de vegetais cultivados pelos brasileiros, mas quando estão num ambiente preservado mantém seu equilíbrio no ecossistema sem lhe causar danos. Ocorrem na América Central e América do Sul até os Andes.
Ninfa do Tucurão (gafanhoto gigante) em fase primária.

Ninfa do Tucurão em fase avançada mas com asas sub-desenvolvidas, alvo fácil para predadores. Esse acima escapou perdendo uma de suas pernas traseiras.

Tucurão adulto fotografado em mata ciliar do cerrado durante vadeio


Vamos então a importância mosqueira...
O mosqueiro Rafael Pacheco, nosso amigo Rafa, foi o primeiro GO FLY e talvez o primeiro brasileiro, a pegar uma pirapitinga no Hopper de pêlo.
Primeira pirapitinga pega pelo GO FLY no Hopper.

A captura do Rafa me fez repensar minha forma de vadeio. Se antes eu abusava das moscas molhadas, em especial do “Pouca-família”, pinchando-o e deixando-o descer pelo corredor de alimentação do peixe, resolvi arriscar todas minhas fichas em prol da emoção e disse pra mim mesmo: “Vou atar umas terrestriais e pescar única e exclusivamente com elas, deixando as molhadas apenas para espumas e turbilhões.” Após traçar esse objetivo, acabei fazendo uma pescaria fantástica no UP STREAM (rio acima) com meu amigo Kensuke. A partir daí me dediquei a desenvolver novas estratégias de ataque ao pesqueiro de pirapitingas. Eu, assim como todo o GO FLY evoluímos no vadeio com moscas terrestriais, mudando a forma de análise dos pontos.  Estratégias que mostraremos em matérias futuras.

 Penso, indubitavelmente, que o pirapitingueiro que não possui terrestriais em sua fly box, como tanajuras e hoppers, certamente não atingirá a produtividade máxima que o vadeio pode lhe oferecer, sobretudo na captura dos grandes exemplares. Depois de atar e testar várias fórmulas, mesclei algumas receitas e cheguei  a esse gafanhoto. Alguns puristas “anti-EVA” poderão, inicialmente, até não gostar dessa mosca, afinal os gafanhotos não fazem tanto sucesso com as trutas brasileiras (que preferem moscas secas menores), mas o mesmo não podemos dizer das trutas patagônicas que possuem uma apreciação considerável pelas terrestriais. Com os Brycons torna-se impossível não reconhecer a supremacia dos grilos/gafanhotos em seu cardápio. Hoje, as terrestriais ocupam mais de 70% de minhas caixas de mosca, não só pela eficiência, mas também porque produzem ataques na superfície, que é o grand slam da pesca com mosca.

Apesar das terrestriais de pêlo atrairem mais os olhares do mosqueiro pela sua bela aparência natural, pessoalmente prefiro as terrestriais de EVA com legs de borracha do que as feitas exclusivamente com pêlos e penas. Fazendo um teste prático comparativo entre essas duas, vi que as terrestriais de EVA possuem uma melhor estabilidade na água, não giram com facilidade na correnteza forte ou durante os casts (o que faz torcer o leader), possuem melhor flutuabilidade, não necessitam serem secadas com false casts e têm maior durabilidade após os agressivos ataques dos peixes.
Gafanhoto de EVA e pêlo.


Após testar esse gafanhoto #8 de EVA e pêlo interpretei-o como possuindo ótima funcionalidade, é bem realístico tanto na sua silhueta como em sua movimentação na água, resiste bem aos ataques e é bem fácil de pinchar com equipamentos do número #3 em diante.
Segue então nossa receita:
Materiais utilizados (sem conflito de interesse):

Anzol 2XL: Usei o Tiemco modelo 5262, #8 para pirapitingas e #4 ou #6 para peixes maiores (ex: matrinchãns, piracanjubas, piraputangas, etc.)
Pêlo: Elk Hair (natural)
EVA: Três placas finas (compradas em papelaria)
Pernas de borracha finas e médias (Rubber Legs fine e medium)
Fio de atado: 6/0 UNI-Thread
Cola de secagem rápida: Uso Super Bonder
Caneta pincel para CD (ponta grossa)
Instrumental:
Morsa nacional (Monroy)
Estilete
Tesoura
Alinhador de pêlos
Bobina
Passos:
     Preparo da base do corpo (EVA):
1-      Cole 3 pedaços de placas finas de EVA de cores diferentes. Estudos mostram que mesmo não distinguindo bem as cores, os peixes enxergam bem o contraste entre elas. Coloquei verde embaixo, preta no meio e salmão em cima, dando bastante contraste de tonalidades. A placa de cima é importante que seja de cor clara, pois facilita a visualização da mosca a longas distâncias. OBS: Em águas claras, as pirapitingas ficam tão ariscas que exigem arremessos longos.

2-      Opção: se você optar em colocar um EVA de cor escura na parte superior, aconselho que troque o Elk hair natural por um pêlo colorido, como o DEER BELLY, que sinalizará bem sua mosca e possui boa flutuabilidade.

3-      Recorte o corpo num comprimento um pouco maior que o anzol, sem cometer excessos, pois o abdome muito longo pode atrapalhar na fisgada.

4-      Na parte de baixo recorte os bordos em forma de barco, na frente dê um pequeno corte nas quinas.

5-      Faça a fenda para encaixar o anzol de forma que só corte a placa de baixo.

6-      Cubra a haste do anzol com fio de atado, passe um pouco de cola e encaixe o corpo de EVA.


ABDOME:
1-      Use o fio de atado para fazer os anéis do abdome em 2/3 da placa de EVA, deixando o 1/3 frontal para a cabeça e o tronco. Dê  2 voltas, no EVA para fazer cada anel e , para que os anéis não fiquem em espiral, só "caminhe" com a linha na parte inferior na mosca. OBS: Não faça muita pressão com o fio ao atar os anéis do abdome, pois isso poderá comprometer a flutuabilidade da mosca. Só faça uma pressão maior no último anel, o que já fará a divisão entre o abdome eo tórax. 
2-      Nessa etapa pode-se fazer um hackle no abdome, mas vou mostrar de uma forma mais simples, sem o hackle.
 
ASAS:
1-      Corte uma pequena quantidade de ELK HAIR (quantidade excessiva de pêlo pode desequilibrar a mosca) e alinhe os no alinhador de pêlos, como demonstrado:
2-      Posicione o pêlo com as pontas até no máximo o final do abdome do gafanhoto, se passar poderá desequilibrá-la também.
3-      Ate o pêlo firmemente e não se preocupe se ele ficar muito arrepiado, pois num passo futuro isso será corrigido. Corte a parte frontal do pêlo bem rente, podendo ou não (a critério) receber uma gota de cola em seu coto.
4-      Quando olharmos a mosca pelo seu lado inferior (que é o mesmo ângulo de visão do peixe) veremos que os pêlos produziram a silhueta das asas do gafanhoto.
Cabeça e antenas:
1-      Passe o fio de atado 2 vezes no olho do anzol, posteriormente dê 2 voltas no EVA bem próximo ao olho do anzol, que já fará a segmentação entre a cabeça e o tórax como demostrado:
2-      Corte uma tira de EVA da mesma largura do corpo e faça uma triangulação em sua ponta (essa triangulação é do tamanho apenas do tórax do gafanhoto).
3-      Ate a tira de EVA na mosca e corte-a ao meio fazendo assim duas novas tiras, como demonstrado:
4-      Antenas: dobre uma borracha fina (Rubber legs fine) e ate-a no meio das duas novas tiras de EVA.
5-      Dobre as tiras de forma que faça o formato da cabeça, devendo ser mais anteriorizada do que a boca do gafanhoto (OBS: se simplesmente dobrarmos para trás as tiras, além de não reproduzirmos o formato real da cabeça de um gafanhoto, ainda faremos com que a mosca afunde quando for puxada, o que não é o objetivo, pois a intenção aqui não é fazer um DIVER).
Tórax:
1-      Passe o fio de atado prendendo as duas tiras de EVA no mesmo local de fixação dos pêlos. Isso fará com que os pêlos se abaixem um pouco.
2-      Corte as pontas das tiras de EVA, finalizando o tórax.

Pernas:
1-      Separe um par de pernas médias (Rubber legs Medium) e dê um nó para simular a articulação das pernas de um gafanhoto.
2-      Ate as pernas médias na transição entre o abdome e o tórax, de modo que fiquem bem alinhadas.
3-      Passe de novo o fio de atado duas vezes no olho do anzol e prenda as pernas médias na transição entre a cabeça e o tórax da mosca. Corte as pontas anteriores das pernas, pois só servirão para fazer as pernas traseiras.
4-      Separe mais um par de pernas finas (legs fins) e ate-as nesse mesmo segmento. OBS: Não recomendo fazer as pernas anteriores com legs de expessura média ou grossa nesse gafanhoto #8, pois poderá desequilibrá-lo para frente. Mas se for numa mosca maior (#6 ou #4) tudo bem.
5-      O nó de finalização já pode ser feito nesse momento.
Acabamento:
1-      Faça um pequeno pique nas tiras de EVA da cabeça de forma que acomode as antenas dentro do pique.
2-      Posicione as antenas para fora, de forma que se abra a fenda de EVA da cabeça, passe pouquíssima cola nessa fenda e comprima para fechar a fenda. Antes da secagem total da cola posicione as antenas de forma adequada.
3-      Pinte com a caneta de CD o seguimento entre a base do pêlo e o tórax e em seguida os olhos do gafanhoto.
4-      Passe mais uma fina camada de cola em toda a parte inferior da mosca, fixando melhor o anzol e o fio de atado na mosca.
 
Variações dessa receita e considerações:

                Sabemos que o mosqueiro brasileiro possui uma enorme criatividade e as variações dessa mosca deverão ser adequadas conforme o peixe e o local em que se irá pescar.
               No ambiente selvagem, os grilos/gafanhotos que são mais predados e que caem na água geralmente são aqueles em fase de ninfa, que ainda não desenvolveram totalmente suas asas. Uma variação pertinente no atado desse Hopper é não usar o pêlo para construir as asas e sim a própria continuação das tiras de EVA, as mesmas que construíram a parte superior da cabeça e do tórax. Essas tiras deverão ser modeladas de forma que representem os brotos de asas da ninfa de gafanhoto.  
               Finalizamos assim mais uma terrestrial bem realista. Espero que essa mosca traga alegria ao mosqueiro que tem afinidade por Brycons, redondos, saicangas, tilápias, tabaranas, bass, trutas, entre outros de sua região.
Sonho de todo pirapitingueiro: Pirapitinga gigante capturada por Kensuke Matsumoto no up stream, com hopper (anzol sem farpa) na vara de Bamboo #4 (by Beto Saldanha-RJ)
                                                                                    Foto: Kensuke

BOA GRILAGEM!!!
Vitorino

25 comentários:

  1. Beleza de matéria

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Valeu Beto! Aliás acabei de incluir no texto sua autoria na customização da vara de Bambú.
      Obrigado pela honrosa visita!
      Leandro

      Excluir
  2. Sensacional!
    Obrigado por compartilhar o seu conhecimento de maneira tão transparante como as águas que abrigam tão majestosas criaturas!

    Abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nós que agradecemos sua atenção Rodrigo!
      Leandro

      Excluir
  3. Muito legal Leandro!! Esses gafanhotos com os Bass aqui da serra devem ser fatais!!!

    Continue sempre nos brindando com suas lindas matérias! Melhoras amigo!

    Att,

    Lauro Neto

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Valeu pela lembrança amigo! Acabo de incluir o Bass no texto.
      Abração!
      Leandro

      Excluir
  4. Excelente, Leandro... bem detalhado, bom pra relembrar o passo a passo!

    Grande abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Poisé Leo, vc também atou um desse...
      Valeu amigo!
      Leandro

      Excluir
  5. que show einh! e que rio, muito perto do que eu imagino o paraíso.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É Igor, paraísos como este estão acabando...
      Precisamos preserva-los!
      Abraços!
      Leandro

      Excluir
  6. Leandro, parabéns a todos vocês por mais esta matéria FANTÁSTICA!
    Abraços acreanos!
    João Nicacio

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigado amigo João!
      Em nome dos amigos GO FLY agradeço por nos prestigiar.
      Grande abraço!
      Leandro

      Excluir
  7. Mais que um passo a passo, uma aula!
    Completo! Dá gosto de ler e aprender!
    Parabéns!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Agradeço as palavras Luiz e estendo-as a todo o grupo!
      Leandro

      Excluir
  8. sempre me surpreendendo com suas materia Vitorino ! Vê se aparece em barretos abracos NINO

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Amigo Nino, como anda a família!?
      Vou tentar ir no Barretão esse ano, comunico.
      Abração!
      Leandro

      Excluir
  9. Grande Leandro, parabéns pela matéria!
    Melhoras para você.
    Abraços!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Brigadão Michel!
      Seja sempre bem vindo!
      Leandro

      Excluir
  10. Fiquei encantado com o detalhamento da matéria e a criatividade e acabamento da mosca.
    Parabéns!
    Tio Luiz

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tio Luiz,
      Ficamos extremamente felizes com sua visita!
      Muito obrigado!
      Leandro

      Excluir
  11. Um dia eu ainda chegarei a esse nível!! Parabéns Leandro! Cada dia mais em busca da excelência, hein...
    Um forte abraço, meu amigo!

    Wanderlei - Anápolis/GO

    ResponderExcluir
  12. como faço para adquirir alguns desses?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa noite Paulo!
      O GO FLY não comercializa moscas. Na barra lateral de nosso blog tem uma série de atadores profissionais que talvez poderá atende-lo. Peça aos atador profissional atar o Gafanhoto GO FLY, com o anzol compatível com o peixe que irá pescar, nossas matéria possui dicas úteis. Mas, logo que possível, tente atar vc mesmo. Atar é tão bom qto pescar e pegar um peixe com a mosca que vc atou não tem preço!!
      Boa sorte!!
      leandro

      Excluir
  13. Olá Leandro,
    Antes de tudo parabéns pelo seu post.
    Já pesquei várias pirapitingas no Rio Tocantizinho (nascente do Tocantins) usando o fly caipira. Mas percebi que depois de pescar uma 3 a 5, no mesmo local, elas ficam velhacas e não vem mais com facilidade, mesmo trocando a mosca artifical por outra. Nunca pesquei com essas iscas de EVA (imitação gafanhoto). Vou usa-las da proxima vez. E qto a colocar essência/cheiro de inseto ou outra coisa na isca? Pois li que os peixes pegam a isca ou pelo movimento, pela cor/aparência e pelo cheiro/odor. Não é isso?

    ResponderExcluir