segunda-feira, 4 de janeiro de 2010

Cerrado: Território do vadeio brasileiro. (Parte I)

-->
Por: Leandro Vitorino
 Foto: Rafael Pacheco
Cachoeiras, cascatas e rios transparentes entrelaçados num cerrado preservado; todo esse cenário já seria o suficiente para agradar qualquer amante da natureza. Mas isso é apenas a ponta do Iceberg das inúmeras qualidades que a região de Pirenópolis reserva para nós mosqueiros.
Quando se compreende este paraíso, está fisgado!
 Foto: Rafael Pacheco
            Aqui é possível entrar no berço técnico do flyfishing que em seus primórdios foi desenvolvido com vadeios pelos rios.  
“Piri” é uma região que põe à prova toda a habilidade técnica existente no flyfishig de “raiz”. Fazer uma leitura correta do rio e uma boa observação do ambiente, entendendo as pequenas cadeias alimentares que se formam em cada trecho, é fundamental para se escolher a mosca ideal para cada ocasião. O domínio de uma boa gama de arremessos é indispensável para apresentar a mosca no local exato de onde você interpretou que pudesse estar o peixe.
As maravilhas do nosso cerrado:

 Foto: Leandro Vitorino
Em Piri, possui alguns rios com trechos preservados com mais de 10 km que permitem a caminhada pela água. Correntezas rápidas e rasas, com apenas 40 cm de profundidade abrigam vorazes pirapitingas. Suas nadadeiras alaranjadas presas em um corpo esbelto embelezam ainda mais sua hidrodinâmica. É uma saltadora nata, que intensifica seus saltos quanto mais raso for o local de captura. Existe uma grande distancia entre fisgar a pirapitinga e conseguir tê-la nas mãos. Ela possui uma grande relação potência/peso, sem contar que é extremamente sábia e usará a correnteza, as cachoeiras e as estruturas submersas a seu favor. A pirapitinga tem um conhecimento meticuloso das estruturas ao seu redor, fato esse que numa ocasião uma delas foi fisgada pelo amigo Rafa e chegou a se “enlocar”, desgastando o líder, o que quase ocasionou a sua perda. Ainda bem que esse comportamento é pouco comum entre as pirapitingas, caso contrário, o pescador certamente acabaria frustrado. 
Pirapitinga fisgada na pâncora morta (anzol #10).                         
Foto: Olímpo Vitorino 


Continua...

3 comentários:

  1. Muito Bacana, Leandro,
    O Brasil tem muitos lugares propícios ao tradicional fly fishing. Infelizmente o mercado de pesca esportiva brasileiro teima em "vender" muito mais a pesca em represas e lagoas que em nossos rios.
    Um abração

    ResponderExcluir
  2. Aí cara blz?
    Sou aqui de Goiânia,estou muito interessado em aprender a pescar com fly,só que até hoje não achei nenhum curso,nenhuma escola de pesca aqui em Goiás,se você pudesse me dar uma sugestão eu ficaria agradecido!
    Abraços,
    diego

    ResponderExcluir
  3. GILBERTO ROSSETTO JUNIOR3 de dezembro de 2011 19:21

    COMO FAÇO PARA PESCAR PIRAPITINGAS DO SUL EM PIRENÓPOLIS?

    ResponderExcluir