segunda-feira, 2 de agosto de 2010

GO FLY recebe visita de grandes mosqueiros da velha guarda


Não há como não se impressionar com a beleza de nosso cerrado e com seu poder de enfeitiçar os seres humanos. Acreditamos que os pequenos rios do estado de Goiás é um dos melhores destinos para a prática da pesca de vadeio no Brasil. Aqui, tudo parece conspirar a favor do mosqueiro, o clima agradável, os peixes insetívoros e a exótica aparência do cerrado preservado.

Por mais que conheçamos um trecho de rio, a cada dia ele se apresenta de forma diferente. Ele nunca é o mesmo. A cada curva, novas revelações e um novo aprendizado. Sua beleza é dinâmica; a cada estação uma nova pintura recobre sua paisagem. O esplendoroso luar, durante a forte estiagem, banha de prata as folhagens secas das árvores retorcidas, transmitindo um encantamento ímpar. Rochas que mais parecem ter sido empilhadas e lapidadas à mão, por uma força maior, ao agrado de nossos olhos, constroem montanhas onde drenam rios de água mineral. Rios, que por sua vez, serpenteiam o seu trajeto para ficarem mais tempo nas terras do paraíso.
Enio Alvarenga
                                                       Gilson Monroy
Foi com enorme prazer e envoltos de muita natureza que tivemos a honra de receber nossos amigos Enio Alvarenga, da cidade de São Paulo, e o casal Gilson Monroy e Eloisa, de Ribeirão Preto, para selar mais um capítulo de nossa caminhada em busca de conhecimento, paz, amor, natureza, amizade, serenidade e felicidade plena.

Como não poderia ser diferente, subimos mais um importante degrau na infinita curva de aprendizado da pesca com mosca. E mais do que isso, abraçamos e fisgamos novos bons espíritos em nossas águas.

A chegada de nossos convidados, na sexta feira do dia 23 de julho, deixou todos do grupo receptivos e inspirados à prática da pesca com mosca.

    Preparação para o vadeio de 6 km
    
 Na noite de sexta feira formamos uma roda de amizade recheada de um grande fluxo de informações técnicas e experiências de nossos visitantes vanguardistas. O papo foi tão agradável que entrou noite à dentro, o que nos fez perder o horário ideal para a pesca das pirapitingas-do-sul. Como estamos passando pelo inverno, período de inter temporada de pesca, o metabolismo baixo dos peixes reduziram significativamente o seu período de ação, que só estavam caçando até as nove horas do período matinal. Mas, na verdade, pouco importava, pois, o vadeio realizava uma higiene mental a todos os mosqueiros ali reunidos. Foram apenas seis ações naquela manhã, com apenas duas pirapitingas capturadas. Tive o prazer de capturar uma linda pirapitinga na estréia de minha vara número quatro, que fora presenteada pelos Rod makers Enio e Monroy.

                                 Loop perfeito, por Enio Alvarenga




                               Pirapitinga com "Pouca-família", anzol 10
Pude assistir de camarote um show de estratégia pirapitingueira do amigo Rafael Pacheco. Devidamente registrada por minha câmera, observei o Rafa se aproximar ajoelhado para o “ataque” do pesqueiro. O próximo passo do amigo foi subir em um cânion, espreitar o rio e pinchar seu grilo, recém atado por ele mesmo, próximo a um belo cardume. A boa apresentação e a descida realista daquela mosca seca na forte correnteza provocaram a subida e o ataque do mais elegante dos Brycons. Esta talentosa façanha mostrou porque a pirapitinga-do-sul é o grande desafio da pesca com mosca no Brasil. Rafael demonstrou, em poucos segundos, como deve ser as movimentações táticas de um bom pirapitingueiro.











O amigo Enio e Willian também receberam duas boas ações, cada um, mas infelizmente o anzol não se fixou na pequena boca da pirapitinga. E como esse Brycon não costuma dar uma segunda chance ao mosqueiro, subimos o rio à procura de mais ações. Mais tarde tivemos o visual de bons cardumes, mas que por razão do sol à pino não estavam ativos, mas valeu a experiência.


 Alguns movimentos do Spey casting foram ensinados pelo amigo Enio. Hérik, que vadeava em outro trecho do rio, lutou com bons lambaris-largos.


Voltamos para casa em Pirenópolis cansados e satisfeitos com as agradáveis companhias de vadeio.

Enio Alvarenga e Monroy abriram um painel de arremessos durante a tarde de sábado, ajustando a sintonia fina dos pinchos de nossos integrantes.


A noite, Enio liderou, com grande habilidade técnica, uma mesa de atado com moscas de pêlo e fibras sintéticas, que foram presenteadas aos nossos mosqueiros.



Mário nos mostrou sua magnífica caixa de poopers de sua autoria, atados com exímia perfeição.

Mário e Hérik, com toda sua simpatia, verbalizavam “pérolas” que arrancavam risadas intermináveis de toda a turma.

Mais uma vez, a boa conversa seqüestrou nossa noite de sono, mesmo sabendo que poderia comprometer nosso dia de pesca na manhã seguinte. No meio de tanta informação de qualidade, o peixe parecia estar mesmo em segundo plano.

No domingo cedo, alguns integrantes partiram para Goiânia para cumprir suas obrigações familiares, desfalcando nossa turma, deixando para trás boas energias.

Eu, Mario, Enio Monroy e Elô fomos visitar a fazenda do amigo Nirlen, um grande parceiro do Projeto Pirapitinga-do-sul, incentivador de nossos ideais e incansável defensor da natureza. Nirlen é um profundo conhecedor do cerrado e dos provérbios de seu povo, contando histórias que prendem a atenção de seus visitantes. Ele faz parte da terceira geração de sua família que protege suas reservas particulares totalmente preservadas com 100% do mais puro cerrado. Sua propriedade é um excelente ponto turístico de Pirenópolis, o “Balneário Praia Grande” fica à +- 30 km da cidade (saída pelo aeroporto). Sem contar que é o melhor ponto que conheço para a pesca do Lambari-largo (Astyanax elachylepis), o mais forte dos lambaris. Lá também é possível a captura da pirapitinga-do-sul, sendo uma reserva em que se pratica apenas o pesque e solte, conforme orientações do Projeto Pirapitinga-do-sul. Lá, possui uma ótima área de camping numa paradisíaca praia de areias brancas, com ambiente bem familiar onde é servida, pelo casal de proprietários, uma deliciosa culinária típica do sertanejo.


Fizemos o vadeio pelo rio Dois Irmãos praticando o flyfishing e o Tenkara. Esta última modalidade citada será mais bem descrita nos próximos relatos.

Água mineral potável

Enio, Monroy, Elô, Mário e eu desfrutamos de bons momentos às margens do rio.




E para fechar nossa tarde com uma agradável rotina do cerrado, um belo por do sol, que era tão deslumbrante que nem mesmo a lua resistiu em espiá-lo por trás das montanhas.


Capitulamos, assim, mais uma inesquecível página do nosso livro da amizade GO FLY.

Equipe GO FLY

14 comentários:

  1. SHOWWWWWWW... perdi essa que penaaaaaa!!! mas to morrendo de saudades desse paraiso!!! MEUS PARABENS MEU AMISGOS DA GOFLY!!!

    KID OCELOS

    ResponderExcluir
  2. Parabéns Leandro e a toda equipe GOFLY. Excelente artigo e imagens !
    Pelo visto o nível das águas do rio Dois Irmãos não abaixou muito, bom para as pirapitingas, principalmente quanto a desova...
    Um abraço

    James B. Nunes (Trilhas da Pesca)

    ResponderExcluir
  3. Valeu amigo KID, sentimos sua falta.
    Na próxima esperamos por você!
    Amigo James, muito obrigado pelo apoio! Agradeço também ao Augusto e todos do programa Trilhas da Pesca que nos ajuda na divulgação da pesca com mosca em Goiás.
    Abraços!
    Leandro Vitorino

    ResponderExcluir
  4. Agradeço pelas palavras de carinho e amizade.
    Vida longa ao GoFly.

    ResponderExcluir
  5. Luis Antonio (lacoelho01@uol.com.br)4 de agosto de 2010 13:09

    Prezados mosqueiros,

    Sou amigo e parceiro de pesca do Enio ,do Gilson e da Elô, só não espalhem pois não quero problemas com a polícia. hahaha
    Perdi a oportunidade de participar desta confraternização, espero em breve conhecê-los.
    EXCELENTE matéria e fotos, põe no chinelo muitas revistas e sites conhecidos pela "qualidade" de seus artigos.
    Já comentei, com os citados amigos, a vontade que eu tenho de conhecer esta região de Pirenópolis.
    Conheço a Pirapitinga aqui na região do Rio Paraíba do Sul,mas está praticamente extinta devido a poluição
    Fiquei MUUUUITO feliz com o incentivo do pesque e solte!! Chega de devastação !!

    GO FLY !!

    Grande abraço a todos

    Luis Antonio Coelho (LAC)

    ResponderExcluir
  6. Ótima matéria, lugar lindíssimo!!!
    Sou amiga do Enio e tive o prazer de aprender a pesca com mosca com ele, ainda não tive a oportunidade de pescar num local como esse, mas chegará meu dia.
    Fotos lindas!!!!
    Abraços

    Alessandra Gil

    ResponderExcluir
  7. Caro Luis Antônio e Alessandra,
    Foi um grande prazer para mim e todos do GO FLY receber os amigos Enio, Gilson e Elô em nossas áreas de proteção.
    O lugar é bem preservado, ficando fácil produzir boas fotografias.
    Aqui é um dos últimos refúgios dessa espécie tão ameaçada.
    As portas estão abertas a todos vcs que queiram partilhar conosco esse local, ainda mais se tratando de amigos de nossos amigos, que foram pessoas muito importantes para que tudo isso pudesse estar acontecendo hoje. Pois tanto o Enio quanto o Gilson foram grandes professores e icentivadores do meu início com a pesca com mosca. As melhores épocas para se visitar são nos meses de setembro à novembro, quando os peixes estão mais ativos.
    Aqui não se pesca só peixes,mas também grandes amizades num dos locais mais belos do país.
    O projeto tem a intenção de repovoar esta e outras áreas afetadas pela ação humana.
    Fiquem a vontade, estamos à espera de vocês!
    Att,
    Leandro Vitorino

    ResponderExcluir
  8. Muito obrigada pela atenção e carinho, sou amiga do Luis também, e posso garantir que foi muito bom conhecer e fazer parte dessa parceria, são grandes amigos. Eu adorooooo as moscas que o Enio faz, não conhecia esse blog, mas como uma "mosqueira" serei uma seguidora...rsrs

    Abçs

    Alessandra

    ResponderExcluir
  9. Alessandra,
    Agradeço pela atenção e pela bondade das palavras.
    Realmente, o Enio é um mosqueiro completo, ata e pincha muito!
    Somos um grupo jovem em estágio de evolução e com o tempo meio curto pelos compromissos ronineiros. Mas com certeza é esse carinho de nossos visitantes que nos inspira em produzir matérias como essa.
    Seja sempre bem vinda à nosso blog, sempre!
    Att,
    Leandro Vitorino

    ResponderExcluir
  10. Em agradecimento a todos os comentarios, gostaria de partilhar um texto do qual gosto muito.

    Pensamento

    "O traço mais significante da ignorância é a presunção do sabe, e muito mais saberiam se não pensassem que sabem." Baltasar Gracián

    A pesca com mosca é um esporte no qual
    não há parâmetros para medir quem é o melhor. Fisgar mais, assim como pinchar mais longe uma mosca, não da a ninguém o titulo de “O melhor pescador com mosca”. A sabedoria reside em compartilhar essas experiências, como disse Confúcio, “Aquele que te ensina uma vez, será teu mestre por toda vida”.

    Pescar com mosca é uma opção de vida apaixonante. Trata-se de um conjunto de conhecimentos diversos, mesclados entre si, com o propósito de nos conduzir a conhecermos e dominarmos a nos mesmo assim como a nossa limitação, com a facilidade de poder ser aplicada à vida pratica nos levando ao fim ultimo que é a felicidade.

    Em parte é um esporte, em parte ciência, em parte arte, em parte magia, em parte diversão, em parte amizade, em parte sabedoria e em parte paixão.

    Sendo um esporte, tem que ser praticado constantemente para se manter a forma, fazer exercícios de aquecimento e respeitar as técnicas da disciplina.

    Como tem ciência, exige muito da obrigação de estudos constantes sobre temas como entomologia, fases lunares, climatologia, piscicultura, física, química e uma grande gama conhecimentos.

    Como tem arte, é muito importante buscar o próprio estilo, tanto para atar moscas como tratar de sua apresentação, assim com dar cadencia e ritmo aos movimentos.

    Como tem magia, é conveniente ter sempre a mão uma poção mágica e levar em conta que às vezes a sorte irá influir no nosso êxito.

    Como tem diversão, lembrar que é uma atividade para reconfortar, não há maior competência que divertir-se com a própria paciência e conhecimento.

    Como tem amizade, essa é a parte em que se estende a mão a um individuo com gostos e necessidades iguais as nossas e ele se converte de um estranho em um irmão.

    Como requer sabedoria, é necessário antes de qualquer coisa humildade para saber que não conheces e nem conheceras todos os rincões e segredos das águas. Seriam necessárias duas vidas para conhecer tudo o que há sobre peixes. A natureza não se vence se sobrevive. Terás que conciliar esporte, ciência, arte, magia, entretenimento e amizade, para não fazer o ridículo diante de ti mesmo.

    Porem, quando estiver com seu caniço desembainhado frente ao teu melhor combatente, esteja com toda a paixão do mundo. Quando estiver atando suas moscas, faça com toda sua paixão, quando estiver compartilhando seus conhecimentos, faça com toda sua paixão, quando estiver praticando a pesca com mosca, faça com toda sua paixão e veras que mesmo que não tenha conseguido cumprir com todos os pontos anteriores, se sentiras bem contigo mesmo, e verdadeiramente é o que importa.

    Carlos Morales / Junho 2007
    Tradução: Enio Alvarenga / Ago 2010

    ResponderExcluir
  11. Muito obrigado amigo Enio por partilhar conosco essa obra literária que merece ser lida e relida diversas vezes e que mesmo assim talvez ainda é pouco.
    Parabéns mais uma vez!
    Grande abraço!
    Leandro Vitorino

    ResponderExcluir
  12. Caramba Enio, não conhecia esse seu lado poeta.
    Parabéns pelo texto.
    Gilson Monroy

    ResponderExcluir
  13. Bom demais,to no aguardo da matéria sobre o Tenkara.

    ResponderExcluir
  14. Parabéns, muito legal a pirapitinga do sul. Já pesquei com algumas dessas peças raras, Monroy, Ênio, e claro meu tio Willian. Pescamos em 2010 no Araguaia (acho que em outubro). Quero pescar esse peixe nesse lugar e soltar é claro. Praticar o pesque e solte, principalmente com essa espécie ameaçada. Abraços. Alexandre.

    ResponderExcluir