sábado, 5 de maio de 2012

PROJETO PIRAPITINGA (GOIÁS - BRASIL)

Fotos: Arquivo Projeto Pirapitinga


Nosso país é o mais rico em biodiversidade do planeta. Apesar de toda essa diversidade, o Brasil é hoje o segundo país em número de espécies ameaçadas.
Cateto com seu filhote. Foto: Leandro Vitorino
Estudiosos afirmam que várias espécies estão sendo extintas antes mesmo de serem conhecidas e catalogadas, é como se todos esses seres passassem despercebidos pela humanidade, contudo alguns se preocupam mais em descobrir outras formas de vida em outros planetas.
Perereca dormia num galho à beira do rio. Foto: Leandro Vitorino
Escuto dizeres do tipo: “devemos preservar para que nossos netos possam ver esses animais”, ou seja, até nossa idéia de preservação está voltada para agradar o ser humano. Apesar dessa frase ser um ótimo pretexto para orientar nossas crianças quanto à importância da preservação, nossa responsabilidade precisa ir mais além.
Esperança se camufla no musgo das árvores. Foto: Leandro Vitorino
Enquanto muitas pessoas chegam a gastar milhares de dólares numa obra feita pela mão humana, uma beleza infinitamente maior está logo ali, de graça e ao nosso alcance, mas que muitas vezes passa despercebida por muitos olhares.

O raro e ameaçado casal de Pato-mergulhão, dentro das áreas do Projeto Pirapitinga. Foto: Leandro Vitorino
SOBRE O PROJETO
Cardume de Pirapitingas (Brycon nattereri). Foto-sub: Leandro Vitorino
O Projeto Pirapitinga foi idealizado em 2008 por Leandro Vitorino, que logo juntou seus ideais aos de seu primo Oscar Vitorino, mestre em biologia. Desde então, iniciaram um trabalho de pesquisa sobre a espécie. Várias viagens deram início à procura dessa espécie e em inúmeras delas pode-se confirmar sua extinção em alguns pontos onde outrora cardumes nadavam em abundância.
Oscar Vitorino Jr, biólogo pela UNB e mestre, é o diretor do Projeto Pirapitinga 
A Brycon nattereri ocorre em algumas regiões de cerrado das Bacias do Alto Paraná, São Francisco e Alto Tocantins. Mas devido a grande destruição do seu habitat, sua população encontra-se restrita a alguns focos.
Kelven Lopes, um dos fundadores do Projeto.

Renato, integrante do Projeto.
James Blanco também integra o Projeto

Rafael Pacheco, conhece como poucos as pirapitingas.
Conseguimos autorização para pesquisarmos sobre essa espécie e fazermos um trabalho de campo apropriado, porém usávamos metodologias diferentes das tradicionais. A coleta do peixe pela maioria dos trabalhos de campo é feita através de redes de espera e redes de arrasto, mas o projeto pirapitinga conseguiu, de forma menos traumatizante e satisfatória, coletar a pirapitinga e registrar dados ainda pouco descritos.
Maurício Velho, colaborador do projeto.
Ricardo Padovan também é um colaborador no trabalho de campo do projeto.
Utilizávamos de forma eficaz o mergulho em apneia de observação juntamente com recursos fotográficos para contabilizarmos o número de indivíduos e o tamanho deles no cardume. Por meio da pesca com equipamento de pesca com mosca (flyfishing) estudávamos isoladamente alguns indivíduos do cardume. Eram coletados dados como: sexo, comprimento, maturidade sexual e aspecto físico geral, logo após eram devolvidos saudáveis ao seu ambiente. Informações sobre a dieta do peixe eram obtidas através de observações de alguns espécimes colocados em recipientes com água bem oxigenada. Dessa forma, o stress causado por esse acondicionamento levava o peixe a regurgitar todo o alimento contido no estômago em 100% dos casos. Após essa manipulação esses indivíduos eram liberados em seu habitat natural.
Rodamos vários municípios da Serra da Mesa, Serra dos Pireneus, Planalto Central, Serra de Caldas, Chapada dos Veadeiros e Serra da Canastra. O estudo foi feito com mais de quatrocentos peixes pesquisados em todos os meses do ano, em regiões distintas. Alguns gráficos e dados do estudo de campo conseguiram agregar informações importantes ao projeto, permitindo que estratégias pudessem ser desenvolvidas, visando a proteção da espécie.

ENQUANTO A SUSTENTABILIDADE DO PROJETO


Inicialmente, um dos meios de levantamento de verba viria do turismo da pesca esportiva praticada nas áreas do projeto, sobre a supervisão de guias especializados e de outros membros treinados. Porém, durante a implementação dessa ação sustentável tivemos alguns fatos negativos: como moradores locais pescando e matando peixes dentro das áreas cadastradas pelo projeto, lixos deixados pelos mesmos, retirada de placas de conscientização, incêndios provocados, cortes de cercas e invasão das propriedades privadas colaboradoras do projeto. Esses fatos inviabilizaram a instalação da pesca esportiva e turística, o que seria uma das ações de sustentabilidade.
Até o momento, por medida de segurança da espécie, o turismo da pesca na região encontra-se suspenso. Porém a pesca com mosca, realizada por integrantes do projeto e seus colaboradores continua existindo como metodologia de pesquisa no trabalho de campo, para que ocorra um monitoramento das populações já estudadas e para que novas áreas de ocorrência sejam descobertas e incluídas ao projeto.

BIODIVERSIDADE NAS ÁREAS DO PROJETO PIRAPITINGA
O venenoso Sapo-Flexa ocorre no cerrado rupestre. O macho possui cuidado parental e carrega seus girinos nas costas na época da reprodução. Foto: Leandro Vitorino
Ao contrário da maioria dos outros sapos, o Sapo-Flexa possui hábitos diurnos. Foto: Leandro Vitorino
Uma grande variedade de áreas de cerrado da região Centro-Oeste e Sudeste do Brasil já foram estudadas. A pirapitinga é a nossa espécie foco do projeto, entretanto outras espécies de peixes do mesmo habitat também se encontram ameaçadas e passam por sérios riscos de extinção. O Pacú-penacho (Pacú-bandeira), a Tabarana e o Trairão da Bacia do Tocantins são alguns desses exemplos e os principais fatores de ameaça observados são as PCHs, destruição de mata ciliar, poluição e pesca predatória. Esses peixes exigem água limpa, bem oxigenada e uma mata ciliar preservada para que forneça seu alimento, além da não interrupção de sua migração para a desova.

Algumas espécies são extintas antes mesmo de serem catalogadas. Foto: Leandro Vitorino
O estudo da pirapitinga nos levou a conhecer uma gama incrível de mamíferos, aves, répteis, anfíbios, peixes, plantas e insetos.
Coral-falsa no cerrado. Foto: Ricardo Padovan
O Cerrado é rico em espécies endêmicas. Estudar a entomofauna do cerrado é também de suma importância ao projeto, já que a pirapitinga é um peixe onívoro com enorme predileção por insetos.

O maior gafanhoto das Américas: Tucurão. Foto: Leandro Vitorino 
Pesquisar e entender o ciclo de vida das saúvas, moscas da pedra, gafanhotos, formiga-leão entre outras, fez com que o projeto conquistasse um grandioso arquivo fotográfico e cultural da entomofauna do cerrado.

Mané-magro. Foto: Leandro Vitorino
Hellgrammite, larva de Dobsonfly em sua fase aquática. Foto: Leandro Vitorino
Dobsonfly macho em sua fase terrestre (adulta). Foto: Maurício Velho
A Formiga-leão (Piolho-de-urubú) é um inseto terrestre e predador, fazendo suas armadilhas em terrenos arenosos. Foto: Leandro Vitorino
O PROJETO E A PESCA COM MOSCA (FLYFISHING)


A pesca com mosca é útil como metodologia de pesquisa do projeto, por se tratar de um método limpo, eficaz e com boa seletividade, além de provocar mínimos danos ao peixe capturado, quando manipulado por mãos treinadas.
Ao longo de nossa caminhada conquistamos alguns parceiros e colaboradores do projeto que além de focarem na preservação da espécie, também têm se encantado com a beleza do peixe e seu estilo de pesca.
Gafanho que passou a ser mais um passageiro durante trabalho de campo. Foto: Ricardo Padovan

Maurício Velho com uma das pirapitingas capturadas na pesca com mosca. Foto: Rafael Pacheco
Apesar da pirapitinga se alimentar principalmente de ninfas de insetos em fase aquática, não dispensam flores, frutos, sementes, insetos terrestres, pequenos peixes, anfíbios e até roedores. São extremamente oportunistas e vorazes, fazendo com que seus ataques sejam de forma rápida e agressiva às “moscas terrestriais” (iscas artificiais flutuantes que imitam insetos terrestres) apresentadas pelo mosqueiro (pescador) em poços ou no corredor de alimentação do peixe.
Yellow Sally (Stonefly) em sua fase terrestre (adulta). Foto: Leandro Vitorino
A pirapitinga investe explosivamente na supercície quando um inseto cai em sua área de alimentação.
Pirapitinga fêmea capturada com a imitação da Yellow Sally.
As pirapitingas também são esguias e ariscas e assim que notam a presença do pescador, se escondem entre fendas de pedra. 
Pirapitinga capturada numa imitação de tanajura, mosca que provoca ataques logo na caída. 
A ninfa de gafanhoto também é uma mosca que provoca boas ações. 
A beleza e a espiritualidade do cerrado gera no praticante dessa modalidade de pesca uma satisfação extrema, lavando a alma, deixando-a leve e serena.




Até a próxima!!!


Att,

Projeto Pirapitinga e GO FLY

23 comentários:

  1. Muito legal, Leandro... Parabéns!!

    Querendo conhecer as pirapitingas dos arredores de Brasília, é só avisar!!

    Grande abraço!

    Leo Marrara

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Blz Leo! Em breve estudaremos as suas pirapitingas aí, são da Bacia do Prata, né?
      bom pra comparar os padrões com as do Tocantins.
      ABC!
      Leandro

      Excluir
  2. Parabéns pelo projeto e pelas fotos.

    Abraços

    Chileno-Brasília-DF

    ResponderExcluir
  3. Parabéns com louvor por toda dedicação e esforço!
    Blatt

    ResponderExcluir
  4. Trabalho exemplar. Parabéns! Difícil é levar essa consciência a todos que precisam. Gostei muito da matéria.
    Abraço

    Thomaz do Sul de Minas

    ResponderExcluir
  5. Incrível o Projeto e a forma com que é conduzido, gostaria de parabenizar os idealizadores e responsáveis, e dizer que foi um prazer colaborar por uma grande causa.

    Parabéns pela qualidade da matéria, mais uma matéria com Louvor da GO FLY!!!

    Grande Abraço

    Padovan

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Amigo Padovan,
      Grande pessoa, excelente mosqueiro e companheiro!
      Vc acha que pegou a pirapitinga?? Na verdade foi ela que te pegou!!
      Uma fez pirapitingueiro....sempre pirapitingueiro!
      O projeto agredece a sua colaboração!
      Att,
      Leandro

      Excluir
  6. Parabéns! Local MARAVILHOSO! Que bom que existem pessoas como vcs.

    ResponderExcluir
  7. Leandro , iniciativas como a sua são o que se pode realmente se chamar de sustentabilidade.O pescador consciente sabe disso e o que deve fazer , pois tanto o seu esporte como o meio ambiente precisam desse tipo de tratamento para não se esvaziar.Conte conosco se precisar de qualquer apoio no sudeste.
    Parabéns.
    Um grande abraço .
    Nadim - Jacareí-SP

    ResponderExcluir
  8. Leandro, nota MIL (COM LOUVOR).
    Gostaria de saber se vocês também estão realizando soltura de alevinos/juvenis da pirapitinga-do-sul.
    Um baiata abraço desde o Acre.
    João Nicácio

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Amigo João Nicácio,
      No princípio tínhamos essa idéia, mas logo a eliminamos. O peixamento deposita peixes homozigóticos na população selvagem, enfraquecendo a diversidade genética do grupo. Mas temos um banco de matrizes em tanques só para nos resguardar de algum desastre ambiental.
      O peixamento é a última alternativa que se deve tomar para salvar uma espécie. Retirar o fator agressor da espécie é o primeiro.
      Grande abraço meu amigo!
      Leandro

      Excluir
  9. Mermão Leandro,
    Mais uma contribuição fantástica dos ideais do GOIAS-FLY.
    Espero que a filosofia da pesca com mosca, a qual agrega amizade, respeito com o meio ambiente, sem deixar de lado o desenvolvimento desta pescaria tão nobre, possa servir de motivação para outros parceiros em outras distintas áreas do nosso rico país.
    Grande abraço Kelven

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tamo junto parceiro,
      Temos muito chão pra rasgar nesse cerradão...
      Abraço!
      Leandro

      Excluir
  10. Leandro,

    LINDA matéria, texto didático e fotos sem palavras!! Como alguns amigos mencionaram, como é bom saber que existem pessoas como vcs que se preocupam de fato com o meio ambiente, com a preservação, com a continuação das espécies e com o próximo, mesmo que ele seja um peixe.
    A divindade está em tudo e vc é um instrumento maravilhoso disso.
    Para o que precisarem, contem com a gente. Teremos um imenso prazer em colaborar nessa causa tão nobre.

    Forte abraço da familia Morelli / Flyecia
    Gleissa

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Agradecemos a toda família Morelli pelo apoio!
      Grande abraço!
      Leandro

      Excluir
  11. Amigos,
    Esse mérito deve ser dividido entre todos, que através do empenho, interesse, boa vontade e técnica tem sido muito importante ao projeto.
    Agradeço de coração a todos os envolvidos!
    Leandro

    ResponderExcluir
  12. Beleza Leandro
    Fico muito feliz em poder colaborar com o projeto.
    Abração
    Mauricio

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Maurício,
      Ficamos extremamente felizes com a sua colaboração e por conhecer um mosqueiro experiente, completo e afiado com vc.
      Seja sempre bem vindo a nossa casa!
      Grande abraço!
      Leandro

      Excluir
  13. Leandro, parabéns! No que eu poder ajudar, prenda o grito!!
    Abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Brigadão Zé! Digo o mesmo a vc!
      Abc!
      leandro

      Excluir
  14. Em todos os sentidos, espetacular!
    Parabéns a todos os envolvidos!
    Um grande abraço.
    Luís Guilherme (Gui).

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gui,
      Muito obrigado pelas palavras e pela visita!
      "A união faz a força"
      Att,
      Leandro

      Excluir
  15. Parabéns pela iniciativa. Preservar é preciso. Pena os locais não se conscientizarem, mas não se pode desistir por conta dos aspectos negativos. Ainda quero pescar esse peixe, e soltar é claro.

    ResponderExcluir